sábado, 19 de setembro de 2009

Carta ao Melhor

Oi. Eu sei que já tem um tempão que a gente não se fala. E é por isso mesmo que eu estou te enviando essa carta. Eu sinto muita saudade. Muita mesmo. Tem horas que chega a doer, dor de verdade.
Me conte, como estão as coisas aí? Sempre me preocupei com o seu medo, de ficar sozinho aí. Não sei de onde tirei tanta certeza pra saber que você não está. Mas eu sei que não está. É que eu não entendo muito das coisas daí, você poderia portanto responder a minha carta?
Mas digitada, por favor, eu não sei se consigo ler sua letra.
Agora vou te contar como estão as coisas aqui. O papai e a mamãe estão tristes. Eles choram muito, você é um pedaço deles né? Não teria como ser diferente. E é tão difícil ver eles assim. Por essa exata razão eu não sei o que fazer mais. Se tenho que ser forte ou se tenho que estar com eles, porque tem sido impossível ser forte do lado deles. A Peu tá bem, criança consegue distrair mais fácil. Ela sofre muito às vezes, ela te ama fora do comum. A parte mais difícil de contar é sobre a Carla. Ela se perdeu. Tem tocado a vida devagar mas parece mais um zumbi, sem vida, sem força, sem ânimo. O sofrimento dela parece que não teve começo e não vai ter fim. Eu sei bem que você não queria ver ela assim, e pode acreditar, eu falei isso pra ela inúmeras vezes, mas ela não deve estar ouvindo nada.
Sobre mim. Ah, eu nem queria falar, mas acho que não preciso guardar segredos de você. Eu tenho sentido muito a sua falta. Em casa e mais ainda no fórum. Nos primeiros dias parecia que você tava pra voltar, agora parece que já se passaram anos e você ainda não voltou. Não sei explicar o tamanho da dor, a angústia. Ver suas fotos, seus carros, tudo seu me faz lembrar. Até aquelas músicas sem letra que você tanto nos fazia ouvir "eu queria mudar, eu queria mudar, eu queria mudar, eu queria mudaaar, meu mundo me ensinou ser assim...".
Nada vai preencher esse vazio que tá aqui, nada, só você mesmo. E eu descobri que o que você tem de tamanho, você tem de coração. E o tamanho da dor que eu tô sentindo agora é o mesmo da certeza de que os dias aos seu lado foram poucos mas valeram a pena.
Eu tenho me arrependido muito de tantas brigas bobas, discussões idiotas. Coisas que eu podia não ter falado, coisas que eu podia não ter feito. Dias que eu podia ter passado do seu lado, inclusive os seus últimos aqui. Eu não sei se você podia nos ver, mas eu sempre estive lá, segurando a sua mão, até no último momento, até na despedida, a minha mão sempre junto a sua. Eu sei que foi muito pouco, que eu podia ter feito muito mais por você, mas a única coisa que eu pude fazer foi despedir de você.
A última vez que te vi aqui em casa, eu nunca vou esquecer. Eu não devia ter ido. Eu devia ter ficado. Eu viajei chorando, o tempo todo, sem razão. Só que eu sentia uma dor no peito, uma dor de que algo ia acontecer. Só que eu não conseguia imaginar que era a dor de nunca mais te ver em casa.
Nosso aperto de mão, eu vou lembrar pro resto da vida. Aquele que demos na porta do hospital, antes de você viajar.
Eu não sou ninguém sem você. Eu ouço as músicas que você me ensinou a ouvir, eu vejo os programas de tv que você me ensinou a ver. Eu estudo na faculdade que você estudou. Eu trabalho no lugar onde você trabalhava. E agora quem sou eu? Eu sou só a cópia mal-feita que você deixou pra trás.
De onde você estiver, mesmo sabendo que você detesta ler, por favor, leia isso. Nós te amamos muito. Ah! Quase esqueci de te contar, você queria saber realmente o que você teve, chegou um laudo acompanhado de uma senhora da Secretaria da Saúde. Você foi mais uma vítima da Gripe A. Não faz muito sentido, eu sei. Todos nós com imunidade baixa e ninguém ter manifestado nenhum sintoma. Mas o papai acha que foi negligência médica, aí é fácil por a culpa na gripe né?
De qualquer forma, não se prenda a isso. Encontrar culpados agora é muito pior.
Como foram as minhas últimas palavras com você, não tenho a menor vontade de mudá-las:
"Junior, boa noite, e fica tranquilo porque estamos aqui. Fica com Deus."

3 comentários:

*Lusinha* disse...

Um texto triste, porque essa separação é a mais dolorida.
Mas em compensação é um texto ótimo, bem escrito!
Bjitos!

Anônimo disse...

Sei exatamente o que está passando, o que está sentindo. Mas, por mais doloroso que seja, você vai superar. Eu superei. Você também consegue. Não desanime.

Fique bem.
Beijos.

Menina disse...

Linda carta! A melhor!! "As pessoas que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós."
Beijos!