quinta-feira, 9 de outubro de 2008

papo de janela de ônibus

Demonstrando indignação ao programa de tv que assisti ontem.
Eu, uma pessoa muito esforçada, trabalho o dia todo e a noite viajo 2horas pra assistir aula. Chego em casa meia noite e meia, sempre assisto jornal e depois o Jô. Ontem, não sei porque mas a tv tava noutro canal, nem sei qual era, pra ser mais exata, liguei a tv e fui assistir ao que passava, mesmo com o controle na mão eu não mudei, antes tivesse.
Não consigo mostrar toda a indignação que senti(juro que procurei outra palavra pra não ficar muito igual ao inicio do post, mas é isso, pura indignação).
Foi engraçado no início, mostrando um vídeo que uma garota usava drogas, ela namorava um viciado, e pra conseguirem dinheiro ela se prostituía, ele até falava que não gostava mas era a única forma de conseguirem dinheiro rápido (pensei com meus botões, conseguiREM? acho que a burra tá pagando o pato sozinha né?! Nãao, meu pijama não tem botões), ela fazia isso todas as noites e depois de um hora de trabalho árduo (huhuhu) ela tinha o dinheiro pra usar mais um pouco de heroína. Eles se diziam felizes daquela forma, até que a Sra Drugs percebe que a menstruação dela estava um tanto quanto muito atrasada. Teste de sangue: positivo. Hu! Who is the father?! Boa pergunta. Mas isso nem foi comentado no vídeo (ok). Ela tentou se afastar dele pra se manter longe das drogas, ela queria parar. Conseguiram moradia num abrigo Sei-Lá-Das-Quantas e pra estarem lá tinham que cumprir as regras, que no caso seria nada de álcool, drogas (sex and rock'n roll). Uma vez viciados, sempre né?! De volta às ruas, Sra Drugs grávida, Sr Drugs não podendo explorá-la financeiramente (se é que me entendem..) se viram a beira do colapso, resultado? Sra Drugs voltou pra casa dos pais pra poder ter o bebê e o Sr Drugs? Bom, ninguém mais soube dele.
Desculpa pelo 'engraçado' ali em cima, é que na verdade, no início eu tava me divertindo com a história...
Aí um pastor todo engomadinho que apresentava o programa me aparece com a questão piscando no canto inferior da tv 'seria auto-afirmação, problemas familiares ou rebeldia?'
ANH?!
COMO ASSIM?!
Um número de telefone piscando em amarelo e (supostos) sociólogos, professores e outros ligaram pra abrir a boca.
Em geral eles concordaram que era culpa da família, vai tomá no c* tooodos vocês! Siim, vão pra p*ta que pariu de 4, tá certo que problemas familiares INFLUENCIAM mas que é CULPA DA FAMÍLIA? Vocês sabem o que é droga? Vocês sabem o que é se drogar? Vocês já experimentaram? Sabem os reais efeitos disso? Sabem como isso pode fazer mal pro psicológico?! NÃAAAO! Vocês são leigos num assunto que tentam ser doutores.
Nessas horas volto com a minha teoria de que todo mundo tinha tomar um porre e se drogar uma vez na vida. Uma vez basta. Só pra entender que bêbado não são armas, que drogados sentem coisas que as outras pessoas não sentem... Vocês precisavam entender. Saber que as pessoas que viciam nessas coisas também são pessoas, e podem nem ter um motivo específico pra entrar nesse mundinho. Era preciso entender todos os sentimentos dessas pessoas, todas as ações delas, essas coisas são muito mais complicadas que um simples 'foi falta de puxão de orelha do pai' AFF, por favor né?! Procurem saber quais são as sensações disso, procurem sentir todos medos e prazeres, pra abrir a boca e dizer: eu sei do que estou falando.

3 comentários:

David Nascimento disse...

Você escreve muito bem... Deu oportunidade de aprofundar a questão e o caráter das drogas, uma coisa é pensar apenas na droga ilícita outra é constatar o poderio das drogas lícitas. Gosto de pensar na "indústria da cultura" ou "cultura de massa". A TV não é uma droga? Esses programinhas não viciam? Tanto a família quanto qualquer um... e me diz aí qual sociólogo ou médico culpa... culpa... sei lá quem. Pensa só: "Ah doutor, a culpa é da minha mãe que assistia Casos de família". Sabe Sheila, a sociedade há muito está doente, está viciada. Nos viciamos no fetiche televisivo, nos filmes massantes, nas músicas...

wicca* disse...

Concordo com isso. Estamos viciados nisso, e como você mesmo disse no seu post anterior, quem lutava antes é quem esconde hoje, as pessoas estão se acomodando e deixando a inércia tomar conta. Não posso simplesmente concordar com isso, não posso só aceitar. A sociedade está doente e nós sabemos, mas sentar na frente da tv e dizer que já que está assim, pois que fique ->isso eu não consigo fazer!

Carlos disse...

só o fogo purifica